Ronaldo Scucato

Crédito: Divulgação Sistema Ocemg

Crédito: Divulgação Sistema Ocemg

Doação de sangue, alimentos e roupas, ruas de lazer, emissões de documentos, entre diversas outras ações de atenção ao próximo farão parte das ações do Dia de Cooperar – Dia C 2015. A campanha deste ano já mobiliza cooperativas de todo o país para participarem do projeto a fim de atingir a cada ano mais pessoas, levando qualidade de vida e bem-estar para as comunidades. A iniciativa, idealizada pelo Sistema Ocemg, tem o objetivo de envolver cooperados, funcionários e familiares, por meio de ações de voluntariado cooperativista. A grande novidade deste ano foi a realização do evento no dia 04 de julho, oportunidade em que também é comemorado o Dia Internacional do Cooperativismo. A estimativa é atingir a marca de 02 milhões de beneficiados este ano e o Responsabilidade Social.com trouxe com exclusividade a entrevista que fizemos com o presidente do Sistema Ocemg, Ronaldo Scucato. Confira:

Responsabilidade Social.com – Como surgiu a proposta do Dia de Cooperar (Dia C) e como sua atuação evoluiu ao longo das edições?
Ronaldo Scucato – O Dia de Cooperar surgiu em 2009 para evidenciar as ações sociais que as cooperativas mineiras já realizavam cotidianamente. A ideia foi potencializar as ações voluntárias das cooperativas mineiras num grande movimento de solidariedade. O projeto deu certo e ano a ano alcançamos um número maior de cooperativas participantes. Em 2013, a proposta foi realizada como piloto em 08 Estados e, em 2014, obteve a adesão de cooperativas de todos os Estados brasileiros. Este ano, o Dia C acontecerá de forma consolidada em todo o país.

RS – Quais são as principais metas e desafios da iniciativa para 2015?
RS – A expectativa é alcançarmos o número expressivo de 2 milhões de pessoas beneficiadas nas ações do Dia C. Em seis anos de projeto, mais de 153 mil voluntários já participaram das atividades, contribuindo para a qualidade de vida de 1,6 milhão de pessoas. Por ano, cerca de 240 cooperativas realizam iniciativas voluntárias no Dia C, em mais de 200 municípios. A proposta deste ano e para os próximos também é aumentarmos os índices de participação e pessoas beneficiadas.

RS – Inicialmente, o Dia C era realizado somente em Minas Gerais. Como se deu a adesão de outros Estados?
RS – O projeto cresceu muito e chamou atenção dos demais Estados. O Sistema Ocemg foi procurado pelo Sistema OCB, que representa o cooperativismo em âmbito nacional, para expandir o projeto para todos os Estados. E, assim, cedemos todos os direitos ao Nacional, incluindo uso da marca e conteúdos, gratuitamente, para que fosse possível realizar o Dia C em todo o país.

RS – Como é realizada a contagem dos beneficiados pelas ações e como eles são escolhidos?
RS – Cada cooperativa, de acordo com sua realidade local, escolhe uma ação, atividade ou entidade a ser assistida. O Sistema Ocemg não interfere na escolha, justamente, para que seja algo que realmente faça a diferença para a comunidade local onde a cooperativa está inserida. Após a realização da ação, cada cooperativa envia ao Sistema um relatório sobre a atividade realizada detalhando o número de beneficiados, municípios, voluntários e cooperativas participantes.

RS – Como as cooperativas podem aderir ao Dia C e cooperar?
RS – Basta realizar a inscrição online por meio do Sistema de Informações Gerenciais do Sistema Ocemg.  A partir daí, procedemos às orientações necessárias e ao envio de materiais de divulgação da campanha.

RS – O Sistema Ocemg realiza outras ações e projetos na área social?
RS – Sim, vários. Temos uma área de Promoção Social, com projetos como o Coop Encena, que leva uma peça teatral às cidades do interior do Estado com apoio das cooperativas, o Sábado Cooperativo, que prioriza ações de lazer e cultura nas praças e parques da capital mineira, o Coopsportes, que é o nosso torneio esportivo entre cooperativistas em várias modalidades, a Corrida da Cooperação, com participação de 4 mil atletas que doam 2 kg de alimentos para participar, e toda a arrecadação é destinada a entidades sociais de Belo Horizonte, entre muitas outras ações.

RS – Qual o seu entendimento do termo ‘responsabilidade social’?
RS – Essa é uma questão muito subjetiva. Nosso prisma mais importante é o da solidariedade cooperativista, da reciprocidade e do próprio amor ao próximo. São posicionamentos que nos engrandecem e enriquecem a nossa vida.


Dia de Cooperar: www.minasgerais.coop.br

Também nessa Edição nº: 195
Artigo: Culturas Ecologicamente Responsáveis e Técnicas para Cultivá-las
Notícia: Dia do Amigo: campanha da Fundação do Câncer incentiva doações
Notícia: O que deu na mídia (edição 195)
Notícia: Curso promove projeto solidário em simulado
Notícia: Ranking com as 28 melhores práticas socioambientais do País são apresentadas pelo Programa Benchmarking Brasil
Oferta de Trabalho: Oportunidade de Trabalho