O que deu na mídia (Edição 3)

Leia aqui sobre as principais notícias sobre responsabilidade social e terceiro setor:

A Crítica de Manaus (26/04/2003)
Lei para o trabalho adolescente: “A realidade brasileira faz com que adolescentes tenham freqüentemente que trabalhar para aumentar a renda familiar ou mesmo para aprender um ofício que lhes garanta um meio de vida mais digno no futuro. O trabalho adolescente, contudo, precisa ser regulamentado pela sociedade para que ele continue estudando e não se transforme em mais um trabalhador não qualificado detentor de um subemprego. No Brasil, a Lei do Aprendiz traz novas perspectivas para a adolescência e procura aproximar, pelas vias da responsabilidade social, empresas e organizações não-governamentais. Passados três anos da promulgação da lei, o questionamento é: até que ponto a sociedade coloca em prática a proteção do trabalho adolescente?” …


O Estado de São Paulo (25/04/2003)
Projeto Tesourinha profissionaliza jovens para os salões de beleza: “Com a intenção de formar jovens carentes, o Projeto Tesourinha está há dez anos capacitando jovens e os recolocando no mercado de trabalho. O projeto nasceu de uma organização não-governamental (ONG) sem fins lucrativos, que oferece cursos técnicos gratuitos de cabeleireiro, maquilagem e manicure, além de palestras sobre cidadania. O Tesourinha firmou parceria com alguns salões de beleza renomados de São Paulo, onde os alunos fazem estágios ao fim do curso, sendo que até 60% deles são efetivados como empregados. O programa ainda conta com apoio de profissionais do setor como Celso Kamura, Miguel Batata, Charles Veyiga e Erik Morais, entre outros. Em 2002, o presidente e idealizador do projeto, Ivan Stringhi, recebeu o Prêmio Pensamento Nacional das Bases Empresariais de Cidadania (PNBE), na área de educação. No mesmo ano, a entidade participou pela terceira vez do Programa Capacitação Solidária. Além de assistir às aulas práticas e teóricas, os alunos participam de um módulo de cidadania com palestras sobre orientação sexual, familiar, drogas, violência, responsabilidade social, entre outros temas. Os cursos têm duração de até seis meses e ocupam meio período do dia dos estudantes”…


O Debate – Portal de Notícias (25/04/2003)
Pesquisa vai mapear retorno de investimento sustentável: “O Instituto Ethos começa nos próximos dias a coleta de material para uma pesquisa com empresas brasileiras sobre os benefícios de negócios resultantes de melhorias sociais e ambientais implementadas pelas companhias. A expectativa é que as primeiras conclusões sobre o retorno de investimento sustentável possam ser conhecidas em outubro. A pesquisa, intitulada `Criando Valor`, já foi realizada pelo instituto – em parceria com a consultoria inglesa SustainAbility e com o IFC, braço do Banco Mundial – com 240 companhias de 60 países em mercados emergentes. Desse universo, 15% dos casos eram brasileiros. A gerente de gestão de conhecimento e relações internacionais do Ethos, Neumara Arbex, contou que haverá um site para as empresas divulgarem suas experiências. O objetivo, segundo ela, é avaliar as decisões das companhias e o seu impacto sobre os negócios. A executiva ressaltou que é importante acompanhar o resultado da pesquisa com as empresas nacionais porque “o Brasil é uma vitrine de iniciativas e inovações” em atividades de sustentabilidade.”…


Folha de São Paulo (22/04/2003)
Fome Zero requer “alfabetização” alimentar: “Presidente de uma força-tarefa internacional contra a obesidade, o britânico Philip James, 64, acrescenta mais um ingrediente à polêmica sobre o projeto prioritário do governo Lula, o Fome Zero . Para o ele, o governo deveria obrigar as famílias atendidas a gastar os cupons de R$ 50 do programa somente em “comida saudável”, como cereais, frutas e verduras. James, uma das maiores autoridades em obesidade no mundo, participou neste mês, em Brasília, do fórum “Peso Saudável no Brasil”, que reuniu médicos, governo e Ministério Público para discutir uma estratégia nacional. Estudo apresentado no fórum mostra que o país gasta anualmente R$ 1,5 bilhão com o excesso de peso e doenças relacionadas -valor maior do que o gasto da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo em 2002. Aproximadamente 40% da população brasileira está acima do peso, segundo o último inquérito populacional sobre o assunto, realizado em 1997. O número quase triplicou nos últimos 20 anos.”…




Também nessa Edição nº: 3
Perfil: Benedita da Silva
Entrevista: Helena Bomeny
Artigo: SA 8000 – O modelo ISO 9000 aplicado à responsabilidade social*
Notícia: Como vai a menina dos olhos de Lula?
Notícia: Bombeiro Amigo da Criança
Notícia: Lixo: fonte de vida e trabalho