Roberto Proença de Macêdo

large

Aos 70 anos, o empresário Roberto Proença de Macêdo ocupa um lugar de destaque na história do desenvolvimento econômico do Ceará. À frente de um dos maiores grupos empresariais do País, ele guarda vivas as lições que recebeu do pai, o industrial José Dias de Macêdo, que criou o Grupo J. Macêdo há 75 anos. A principal delas era a de disposição e dedicação ao trabalho. “Meu pai sempre dizia ‘enquanto descansa, carregue as pedras'”, ilustra.

Dos oito filhos de José Dias e Maria Proença, Roberto e o irmão, Amarílio foram aqueles que assumiram a gestão dos negócios da família. Aos 19 anos, se casou com Tânia Rocha Lima de Macêdo – com quem tem quatro filhos. O peso da responsabilidade, contudo, parecia menor para quem descobriu a vocação aos negócios ainda cedo. Roberto passava as férias, observando como o pai resolvia os problemas, atendia as pessoas, recebia os clientes e encaminhava as soluções.

Cursou Engenharia Mecânica na Universidade Federal do Ceará e Economia. Quando se formou, em 1970, o empresário – que já atuava no grupo – recebeu a primeira grande missão de sua carreira: implantar, na Bahia, a Fábrica de Pneus Tropical, até então o maior investimento do grupo empresarial. O projeto exigiu que o empresário se fixasse em Salvador, onde ficou até 1979, quando retornou com a família ao Ceará.

O gosto natural pelo trabalho faz Roberto Macêdo pôr em prática tudo que aprendeu nas empresas do grupo, que atuam em segmentos, como alimentos, agroindústria e eletromecânica. Sob a sua responsabilidade, estão marcas de destaque nacional, como Dona Benta, Petybon e Hidracor. Não bastasse o trabalho no grupo, o empresário fez questão de incluir em sua agenda ações que traduzem seu compromisso com o setor.

Roberto Macêdo está concluindo dois mandatos na presidência da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec). Atualmente, é vice-presidente da Confederação Nacional da Indústria, além de membro do Fórum Nacional da Indústria, do Conselho Deliberativo do Sebrae-CE e do Conselho de Desenvolvimento Econômico do Ceará. O empresário também dedica seu tempo a entidades que trabalham na recuperação de dependentes químicos e na preservação do meio ambiente no Ceará.

Em 2006, com mais de 40 anos de atuação empresarial, Roberto Macêdo recebeu um novo, e grande, desafio: reunificar a Federação das Indústrias do Ceará (Fiec). Foi eleito – e reeleito, em 2010 – presidente da entidade. Aceitou e desafio e, antes de terminar sua gestão, transformou o número de apenas 45 associados em 300.

Para José Ramos Torres de Melo Filho, a notícia de que seria um dos homenageados com o Troféu Sereia de Ouro o deixou feliz e sensibilizado. “Receber a comenda do Sistema Verdes Mares, reconhecida por todos, é importante não apenas para mim, como cidadão cearense, mas também para o Lar Torres de Melo, porque chama a atenção para o trabalho que desenvolvemos e nos ajuda a manter nossas portas abertas”, declara o engenheiro.

Sobre o Sereia de Ouro
Criado em 1971, o Troféu Sereia de Ouro reconhece, a cada ano, quatro personalidades de destaque. A outorga do Troféu Sereia de Ouro em sua 44ª edição é conferida este ano ao Empresário Roberto Proença de Macêdo, ao Jurista Hugo de Brito Machado, à Médica Glaura Férrer Dias Martins e ao Senhor José Ramos Torres de Melo Filho, pela responsabilidade social.

Para maiores informações sobre Roberto Macêdo, visite Verdes Mares.




Também nessa Edição nº: 180
Artigo: Reputação e empresas: o que conta?
Notícia: O que deu na mídia (Edição 180)
Notícia: Indignação foi a marca da cerimônia de premiação