José Mário Tranquillini

Tranquilini com uma das crianças atendidas no seu projeto social

Tranquilini com uma das crianças atendidas no seu projeto social

Nascido em Brasília, a 23 de outubro de 1962, José Mário Tranquillini pode considerar-se um atleta e um homem realizado. Vindo de uma família simples, sempre estudou em escola pública. Muito jovem, teve de superar uma enorme dificuldade de concentração em sala de aula, problema que se agravou com a falta de apoio familiar adequado. Quando Tranquillini tinha apenas dez anos, seus pais foram chamados à escola para uma conversa.

Assustado, o menino pensou que seria expulso, quando foi surpreendido por uma diferente proposta: poderia continuar estudando, desde que praticasse judô pelo colégio. O estímulo deu certo. Aos 17 anos, Tranquillini tornou-se campeão brasileiro, título que conquistou nove vezes. Além deste, o atleta coleciona os seguintes títulos: foi bicampeão panamericano; tricampeão sulamericano; cinco vezes campeão do Open USA; três vezes campeão internacional; e, em 1992, chegou a representar o Brasil nas Olimpíadas de Barcelona.

Para Tranquillini, o Judô serviu de instrumento para ensiná-lo a conhecer seus limites e a respeitar os do próximo. A força, a flexibilidade, a agilidade e a velocidade exigidas nos golpes, além do duro aprendizado de ganhar e perder em diferentes situações foram os elementos que esculpiram o caráter deste homem. Hoje, Tranquillini é conhecido por ser referência de atleta humilde e persistente.

O sonho e a conquista do sucesso de Tranquillini são fruto da chance que chegou às suas mãos aos dez anos de idade. Ciente disso, o judoca colocou em prática um velho sonho: criar uma escola de judô para crianças e adolescentes pobres do Distrito Federal, com o intuito de viabilizar o acesso ao judô como esporte olímpico e atividade física formadora de cidadania. O projeto Judô com Tranquillini pretende oferecer uma alternativa à ociosidade, às drogas e à violência. “Queremos favorecer o desenvolvimento físico e moral de nossos pequenos cidadãos”, explica o judoca.


Tel.: (61) 364-0995 / 224-7728

Também nessa Edição nº: 5
Entrevista: Clara Brandão
Artigo: A outra face do bem: empresas investem na área social mais por marketing do que por vocação*
Notícia: O que deu na mídia (Edição 5)
Notícia: A identidade conquistada
Notícia: EDISCA conquista o mundo
Notícia: Onde está o Brasil online?