Sustentabilidade se aprende na escola

Estudantes da instituição

Estudantes da instituição

Instituição mineira investe em energia renovável com a instalação de ventiladores movidos a energia solar

O conteúdo escolar da Fundação Torino, instalada em Belo Horizonte, contemplará neste ano ações para que os estudantes vivam na prática o respeito ao meio ambiente. Antes mesmo das aulas começarem, a instituição foi equipada com ventiladores movidos a energia solar. Já os espaços de grande circulação, como as quadras e o restaurante, já contam com exaustores eólicos para a refrigeração do ar.

Segundo o presidente da entidade, Raffaele Peano, a intenção é adotar práticas que contribuam com o desenvolvimento sustentável. “É importante ensinar aos nossos alunos o respeito aos seres vivos e ao planeta. Para que o aproveitamento dos conteúdos estudados seja completo em todas as áreas do conhecimento e da vida, nada melhor do que darmos exemplos concretos de ações sustentáveis e de cuidado com o meio ambiente, conceitos que não existem apenas no nosso discurso”, diz.

Responsável pelos aparelhos, o engenheiro Marcos Menicucci da empresa Renovar Ventilação, explica que os ventiladores movidos a energia solar apresentam vantagens em relação às outras formas de se obter energia pelo fato de não poluir e nem representarem um risco ao meio ambiente. “Os ventiladores dependem apenas da luz solar para o funcionamento, não precisam de turbinas e nem geradores”, diz o engenheiro que ainda reforça dizendo que, comparado aos exaustores eólicos, que funcionam com a força do vento, os ventiladores solares chegam a atingir uma potência oito vezes maior.

Outra solução apresentada pelo engenheiro, refere-se ao valor do investimento com a energia solar. “Uma das resistências que o uso da energia solar encontra no Brasil, refere-se ao valor do investimento. Para que essa energia fique mais barata, desenvolvemos um sistema que não utiliza reservatório, o que deixa a instalação mais barata”, diz.

Ainda segundo ele, o sistema funciona de maneira integrada com a energia elétrica, por isso, nos dias chuvosos ou no turno da noite os ventiladores passam a funcionar com energia elétrica e nos demais dia, a alimentação será solar. “Dessa forma, a previsão média de retorno do investimento é de 3 a 4 anos”, completa. Menicucci também esclarece que os sistemas que dependem do reservatório, o tempo de retorno pode chegar de sete a dez anos.

A novidade serve de estímulo também para os professores que poderão mostrar in loco a aplicação do uso de energia solar. Para o início do período letivo, a instituição solicitou a instalação de uma fonte que funcionará com a luz do sol. “Com a fonte os alunos poderão ver de perto as placas que capturam a energia e como funciona um sistema que é alimentado por esse sistema, uma forma de tornar as aulas ainda mais interessantes”, completa o presidente.

Desde 2008 com o desenvolvimento do projeto Econscienza – que tem como objetivo entender e aplicar o conceito da palavra sustentabilidade e sua abrangência e que envolve fatores sociais, econômicos e ambientais – a escola aderiu à coleta seletiva de papel, latinhas e se tornou um dos pontos de recolhimento de baterias, pilhas e óleo usado da região do bairro Belvedere.

Os setores administrativos também assumiram uma nova postura utilizando papéis reciclados e diminuindo a quantidade de materiais impressos. Criada em 1975, a entidade oferece ensino fundamental e médio e curso de italiano aberto à comunidade.


Fundação Torino - Telefone: (31) 3485-7875

Também nessa Edição nº: 91
Perfil: Gilberto Selber
Entrevista: Solange Bottaro (2010/03)
Artigo: Responsabilidade social e projeto de qualidade de vida nas empresas
Notícia: O que deu na mídia (edição 91)
Notícia: Instituto ambiental do DF apresenta balanço
Notícia: Em busca por emprego
Oferta de Trabalho: Procura-se (03/2010)