Onde está o Brasil online?

Jovens atendidos pelo CDI

Jovens atendidos pelo CDI

O Brasil é um país marcado por enormes diferenças sociais. Em termos de acesso à Internet, essa realidade não poderia ser outra. Em pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e pelo Comitê para Democratização da Informática (CDI), foi traçado um mapa de exclusão digital no país. Os resultados encontrados são uma tradução exata dos contrastes econômicos – riquezas concentradas nos grandes centros urbanos, estados do Nordeste com os menores índices de inclusão digital e acesso ao computador drasticamente menor nas periferias. Do total de 170 milhões de brasileiros, apenas 26 milhões têm acesso ao computador. A média nacional de inclusão digital é de 8,2%.

De acordo com a pesquisa, o Distrito Federal é o local onde se concentra o maior número de habitantes que possuem computador em casa, 23,87%, ou seja, um entre quatro habitantes tem o aparelho. E 19,22% dos moradores são usuários da Internet. Esses dados mostram que o DF é a unidade da federação com maior nível de inclusão digital, seguida dos estados de São Paulo (17,98%), Rio de Janeiro (15,51%), Santa Catarina e Paraná.

Mesmo com essa constatação, os números positivos nesses estados escondem uma outra faceta. Cerca de 75% dos computadores estão localizados nos bairros nobres da cidade, tendo essa porcentagem muito diminuída quando o levantamento é realizado na periferia. Na região Nordeste a situação é ainda mais complicada. No Maranhão, apenas 2% da população têm computador em casa.

Esses poderosos números têm a capacidade de traduzir, entrelinhas, que a exclusão digital se estende para a exclusão do mercado de trabalho, e de novas chances de crescimento profissional e econômico. A intenção da FGV e da CDI ao realizar esse levantamento é fornecer instrumentos eficientes de análise para que o governo e a sociedade civil possam estabelecer políticas públicas e planos sociais que visem diminuir esse enorme abismo que, mais uma vez, se mostra evidente entre as classes sociais brasileiras.

Apesar desses números bastante negativos, o estudo mostra que, ainda assim, tem havido um crescimento bastante significativo em inclusão digital no Brasil. Um dado encontrado mostra que, a cada quatro meses, um milhão de brasileiros passa a ter um computador dentro de casa. Além disso, é importante destacar que, nos últimos três anos, o número de crianças e adolescentes incluídos no mundo digital pulou de 10% para 15%. A pesquisa ainda revela que, em apenas um ano, o Brasil caiu da 29a posição para a 28a, no ranking mundial que mede o acesso das nações ao computador.


Site:  www.cdi.org.br

Também nessa Edição nº: 5
Perfil: José Mário Tranquillini
Entrevista: Clara Brandão
Artigo: A outra face do bem: empresas investem na área social mais por marketing do que por vocação*
Notícia: O que deu na mídia (Edição 5)
Notícia: A identidade conquistada
Notícia: EDISCA conquista o mundo