O que deu na mídia (Edição 4)

Leia aqui sobre as principais notícias sobre responsabilidade social e terceiro setor:

Estado de São Paulo (06/05/2003)
Itaú e Philips entre as empresas mais admiradas da América Latina: “O Banco Itaú e a Philips do Brasil estão entre as seis empresas selecionadas como “as mais admiradas da América Latina” pela revista de negócios Latin Trade, editada em Miami. A Ford do México, o Banco Nacional do México (Banamex), a divisão latino-americana da IBM e a Microsoft Colômbia completam a lista. Segundo a revista, as companhias foram escolhidas por causa do “enfoque inovador sobre a responsabilidade social na região”.

Estado de São Paulo (04/05/2003)
Lula pode ser o pós-Consenso de Washington: “Nomeado em 2001 para o cargo de diretor do Banco Mundial (Bird) no Brasil, o indiano Vinod Thomas é capaz de citar de cabeça o nome de todos os ministros de Luiz Inácio Lula da Silva e de todos os governadores brasileiros. A razão é simples: a equipe de 75 pessoas do Banco Mundial no Brasil está enfiada até a cabeça em dezenas de discussões e projetos relacionados ao Brasil, que perpassam o governo Lula de alto a baixo, e atingem todos os governadores (além de muitos prefeitos). O eixo da maioria desses contatos é a política social. Não há dúvida de que nosso envolvimento cresceu com o governo Lula”, diz Thomas. A crescente relação do Banco Mundial com o governo Lula não é por acaso. A instituição está encantada com a combinação de responsabilidade macroeconômica e urgência social pregada pelo novo presidente do Brasil.”

Meio Norte (02/05/2003)
Governo prepara programa para reduzir índice de desemprego entre os jovens: “A situação de desemprego no mundo é alarmante. Segundo dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), existem hoje cerca de 176 milhões de jovens desempregados, o equivalente à população brasileira. Só no Brasil, são cerca de 7,5 mi-lhões de jovens entre 16 e 24 anos sem emprego, a maioria na Região Nordeste. A OIT revelou também que a taxa média de desemprego entre os jovens em nações industria-lizadas também é alta, de acordo com dados de 2001: no Canadá, por exemplo, existem cerca de 1,2 milhões de jovens desempregados; e na Alemanha, 3,2 milhões.”

O Liberal (02/05/2003)
Empresas privadas já investem em educaçã “Esta semana, o ministro Cristovam Buarque, reclamou prioridade para a educação na distribuição de recursos do orçamento da União. O deficit criado em anos de pequeno investimento resultou em problemas que afetam milhões de crianças e adolescentes. Em 2002, o Censo Escolar apontou 89.866.971 de crianças e adolescentes matriculados nas escolas brasileiras e 4.089.482 no Pará. Do total, estima-se que cerca de 84% estão nas escolas públicas. O ministro tem, inclusive, tentado sensibilizar o empresariado para a necessidade do investimento social privado em educação. A atuação empresarial ainda é pequena e recente. Mas já é possível encontrar exemplos a serem seguidos por outras empresas. Um exemplo local é a escola Nuremberg Borja Brito, construída e mantida pela Rede Celpa. A experiência, pioneira no Pará, tem garantido educação com padrão de qualidade muito além do oferecido pela maioria das escolas públicas e até de várias particulares.”




Também nessa Edição nº: 4
Perfil: Tim Lopes
Entrevista: Ilda Peliz (2003/05)
Artigo: Cidadania empresarial: um caminho sem volta
Notícia: Práticas de cidadania
Notícia: Símbolos nacionais vão às aulas
Notícia: A ONG da Caixa