O que deu na mídia (edição 107)

Leia aqui as principais notícias sobre responsabilidade social e Terceiro Setor

EUA tem verba só para guerra, diz Sachs “Valor Econômico” – 05/11/2010
” – Lamento dizer isso – , começou, constrangido, – mas meu país só parece ter verbas para financiar guerras. A frase é do americano Jeffrey Sachs, diretor do Earth Institute, professor de desenvolvimento sustentável na Universidade Columbia e um dos economistas mais famosos do mundo. Sachs falou a jornalistas reunidos em Bruxelas na semana passada e jogou a toalha em relação à participação dos EUA nas negociações do clima. – Esqueçam os EUA, recomendou, sugerindo que se traga a China para a frente do processo. – Outra meta é conquistar a comunidade de negócios, sugeriu”.

Prova de fogo para o projeto Safra Social – “O Globo” – 02/11/2010

“Quando um projeto de responsabilidade social nasce, quase sempre está no discurso o objetivo de que um dia ele se torne autossustentável. Mas, quando chega a hora de a empresa deixar que a ideia siga com as próprias pernas, não é raro descobrir que a meta não era tão simples. É nesse estágio que se encontra o projeto de certificação de pequenos produtores da empresa Sara Lee, dona da marca Café do Ponto”.

O otimismo que vem de Nagoya – “O Estado de S. Paulo” – 02/11/2010
“Desejado por todos, mas considerado praticamente impossível de ser alcançado ao longo de arrastadas negociações que exigiam a concordância dos 193 países ali representados, o acordo a que se chegou na cidade de Nagoya, no Japão, para a conservação e o uso sustentável da biodiversidade, embora limitado, renova as esperanças sobre “a capacidade do ser humano de tomar decisões coletivas para sua própria sobrevivência” – como resumiu o enviado especial do Estado à décima Conferência das Partes (COP-10) da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), Herton Escobar”.

Ponto verde com inclusão é desafio – “O Globo” – 02/11/2010

“Dois meses após a aprovação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (Leinº 12.305/2010), o Estado do Rio se vê diante de um grande desafio: implementar um modelo de gestão compartilhada para o lixo aliado à inclusão social. O acordo de cooperação assinado com a Sociedade Ponto Verde de Portugal (entrevista nas páginas 4 e 5), em maio, caminha a passos largos. Para além de Portugal, o “Modelo Ponto Verde” é uma realidade de sucesso em 26 países europeus”.

Responsabilidade social adquirida com prazer – “O Globo” – 30/10/2010
“A gincana do Colégio Alfa, uma das mais tradicionais escolas de Duque de Caxias, acontece há 25 anos. As turmas são divididas em três equipes, e cada uma tem dois líderes. Os representantes dos grupos escolhem os nomes dos times, as cores e os desenhos das camisas. Por meio de programas como esse, nós procuramos incentivar e estimular a formação de líderes e desenvolver as capacidades artísticas, esportivas e intelectuais dos alunos — afirma Celso Lima, professor de Educação Física da escola e organizador do evento desde a sua primeira edição”.

Responsabilidade social da empresa – “Folha de S. Paulo” – 30/10/2010
“As grandes empresas vêm sofrendo cada vez mais pressão, muitas vezes de organizações não governamentais ativistas, para que assumam obrigações específicas de “responsabilidade social empresarial” (RSE). Mas o fato de que a RSE esteja sendo exigida, e ocasionalmente concedida, não garante clareza quanto aos motivos para que isso aconteça ou às maneiras pelas quais deva ser assumida”.

Renault une mobilidade à responsabilidade social – “Valor Econômico” – 29/10/2010
“Pode parecer um tanto futurista um curso de mestrado com disciplinas como “controle de energia de veículos elétricos” ou “arquitetura e conceito de veículos elétricos: impacto da transformação automotiva na engenharia tradicional”. Mas para jovens engenheiros de diversos países, incluindo brasileiros, isso já é realidade. Eles estão passando por um processo de seleção para o curso “Mobilidade e o veículo elétrico”, com bolsa de estudos na França, custeada pela Renault , que está entre as montadoras que mais apostam no automóvel movido a eletricidade”.

Previsão de acelerar metas contra o desmatamento – “O Globo” – 27/10/2010
“O Brasil deve antecipar o cumprimento da meta de redução do desmatamento da Amazônia de 2020 para 2016. O compromisso de reduzir a destruição da Amazônia em 80%, reafirmado ontem pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi assumido em Copenhague (COP-15), no ano passado. Ao regulamentar o Fundo Nacional sobre Mudança do Clima, Lula disse que esse resultado vem sendo obtido graças às medidas previstas no Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal, criado em 2003”.

Emissões de gases-estufa caem 19% e chegam ao menor nível desde 1995 – “O Estado de S. Paulo” – 27/10/2010
“Estimativa da quantidade de gases causadores de efeito estufa lançados na atmosfera pelo Brasil indica que as emissões de carbono caíram 19% em quatro anos. Além disso, no ano passado foi registrado o menor nível de emissões desses gases desde 1995. Anunciada pelo governo a menos de um mês da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças do Clima, em Cancún, no México, essa estimativa aponta que o Brasil poderá cumprir com alguma folga as metas de redução das emissões”.

Carteira do ISE terá novo período de vigência – “Valor Econômico” – 26/10/2010
“A BM&FBovespa vai alterar o período de vigência da carteira teórica do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE). A próxima carteira terá início no primeiro dia útil de janeiro de 2011 e valerá até o último dia útil do ano. Atualmente, o ISE entra em vigor no primeiro dia útil de dezembro e vai até o último dia útil de novembro do ano seguinte. A mudança foi aprovada pelo Conselho Deliberativo do Índice de Sustentabilidade Empresarial, em reunião realizada no dia 6 de outubro. Já o anúncio das empresas e ações que irão compor o ISE continuará sendo efetuado sempre no mês de novembro. Este ano, a divulgação está programada para 25 de novembro”.

Floresta alugada começa a dar madeira – “Folha de S. Paulo” – 25/10/2010
“Área já aprovada para a exploração, contudo, é menos de 2% da que foi prevista originalmente; processos atrapalharam. A principal experiência de desenvolvimento sustentável induzida pelo governo na Amazônia começou há mais de um mês -sem que ninguém tivesse notícia. Às 11h16 da manhã de 21 de setembro, uma motosserra da madeireira Sakura derrubou uma árvore de roxinho (Peltogyne paniculata) em uma mata na Floresta Nacional do Jamari, em Rondônia”.




Também nessa Edição nº: 107
Perfil: Marina Sophia
Entrevista: Gabriela Gazola
Artigo: Captação de recursos: uma construção de parcerias
Notícia: Madeira legal (2010/11)
Notícia: Sem desperdício
Notícia: Brasília sedia encontro sobre desenvolvimento sustentável
Oferta de Trabalho: Procura-se (11/2010)