DF lidera ranking da densidade de mestres por mil habitantes, aponta estudo

Publicação está disponível na íntegra no site do CGEE

Publicação está disponível na íntegra no site do CGEE

Levantamento realizado pelo CGEE mostra que o número de pós-graduados no País cresce mais de 10% ao ano

O Distrito Federal mantém atualmente 18 mestres para cada grupo de mil habitantes, o que confere à capital do País a liderança na elite acadêmica brasileira. A constatação está num estudo realizado pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), uma organização social ligada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

Lançada no último dia 22, em Brasília (DF), a publicação mostra que a densidade de mestres por habitantes do DF é praticamente o dobro do Rio de Janeiro, que ocupa a segunda posição, com 9,18 mestres. Na ordem de unidades da Federação com as maiores densidades de doutores, o DF também ocupa o topo da lista. A capital do País apresenta a maior densidade (5,44), seguido do estado do Rio de Janeiro (3,58), enquanto que o estado de São Paulo é a terceira unidade de maior densidade (2,77), o que corresponde a cerca da metade da do DF.

O estudo “Mestres 2012: demografia da base técnico-científica brasileira” aponta que a formação de novos mestres cresceu à taxa de 10,7% ao ano no Brasil, entre 1996 e 2009. A publicação constata que parte expressiva dessa expansão se deveu à contribuição dos programas de pós-graduação vinculados às instituições particulares, que passaram de 13,3% dos titulados, em 1996, para 22,4%, em 2009. As quatro áreas de conhecimento mais procuradas nesses programas são humanas (17,1% dos formados), ciências sociais aplicadas (15,5%), saúde (14,7%) e as engenharias (12,8%).

O resultado da consolidação dos dados disponíveis mostra que 40% dos programas de mestrado no Brasil têm conceito 3 da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) — em uma escala que vai até 7. Cursos com nota 1 e 2 não são permitidos.

De acordo com o levantamento, residem no País 517 mil profissionais com curso de mestrado e 187 mil com título de doutor. O número de mestres e doutores formados pelas universidades brasileiras mais que quadruplicou em 15 anos, passando de 13.219 em 1996 para 55.047 em 2011 – aumento de 312%.

O estudo mostra ainda que os mestres têm uma inserção maior no mercado de trabalho não acadêmico que os doutores. Do total de mestres formados entre 1996 e 2009, cerca de 40% estão empregados no setor de educação, comparado a cerca de 80% do doutores. As vantagens socioeconômicas da pós-graduação são claras. Segundo o estudo, os salários de quem têm mestrado são 84% mais altos que os de quem só fez a graduação. Já os doutores recebem 35% mais que os mestres.

Os dados também revelam a desigualdade de gêneros na elite acadêmica brasileira. As mulheres já representam mais da metade dos mestres do País desde 1997, mas sua remuneração média é 42% menor que a dos homens com a mesma titulação.

O estudo está disponível para download neste link.


Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) - Telefone: (61) 3424-9600

Também nessa Edição nº: 157
Perfil: Manuel Condez e Marco Aurélio
Entrevista: Eunice Lima
Artigo: Da visão de risco para a de oportunidade
Notícia: Lei Anticorrupção avança no Congresso
Notícia: Consciência na hora da compra
Oferta de Trabalho: Procura-se (05/2013)