Cavalo amigo

Com o tratamento, crianças apresentam melhoras na fala, locomoção, entre outras

Com o tratamento, crianças apresentam melhoras na fala, locomoção, entre outras

Projeto de Porto de Alegre aposta na equoterapia para tratar crianças com down

A Codere, multinacional espanhola de gestão em jogos e apostas de turfe e o Centro de Equoterapia Cavalo Amigo, instalados na capital gaúcha, têm levado tratamento multidisciplinar a crianças de baixa renda e com necessidades especiais. Em parceria, as instituições têm atendido desde 2008 cinco crianças com síndrome de down, por meio do projeto “Adote um praticante de Equoterapia”.

A iniciativa oferta atendimento que inclui o auxílio de fisioterapeutas, fonoaudiólogos, pedagogos e psicólogos. A primeira criança beneficiada pelo trabalho conjunto foi a Laurinha, que aos três anos não falava e não andava. Atualmente ela já consegue andar e falar sem dificuldades.

O resultado promissor incentivou a Codere a apadrinhar mais duas crianças: o Rodrigo de nove meses e a Maria Eduarda de dois anos. Elas começaram o tratamento em março. As atividades são voltadas para a melhora do tônus muscular, do equilíbrio, além de ajustar a postura e aumentar a autoestima. A proposta tem apoio do governo federal, que deduz do imposto de renda as doações feitas a entidades sociais e além da Codere, conta com outros parceiros, entre pessoas físicas e jurídicas.

“A equoterapia interfere positivamente no funcionamento do organismo, sendo indicada para todas as pessoas que desejam melhorar a sua qualidade de vida. Quando aplicada a pessoas com necessidades especiais, a atividade envia estímulos físicos tridimensionais ao cérebro, por meio da marcha terapêutica do cavalo, abrindo novos caminhos neurológicos”, destaca a psicóloga Silvia Scheffer, responsável pelo centro de equoterapia.

Além dessas crianças, a instituição também atende pacientes da rede psiquiátrica do Estado, dentro do “Quarta Feliz”, realizado em parceria com a Sociedade Hípica Portoalegrense e a empresa de ônibus Unibus. Ao todo, essa ação já beneficiou mais de 100 pessoas, que participaram de caminhada, alongamento, atividades físicas, montaram a cavalo, entre outras ações. “A saída do hospital psiquiátrico e equoterapia trazem um enorme beneficio para eles que quase nunca saem da área do hospital”, explica Silvia.

Segundo ela, a proposta do centro é aumentar o número de padrinhos para esse projeto neste ano e com isso atender um número maior de pacientes. “Devido a dificuldade motora e mental dos participantes, isso requer mais profissionais o que eleva o custo”, justifica. A entidade também busca novos parceiros para o “Adote um praticante de Equoterapia”, que já tem uma fila de espera com 300 crianças inscritas.

Ainda de acordo com a psicóloga, os benefícios para os pacientes da rede psiquiátrica são imensos. “O fato de esse grupo poder interagir com o mundo já fez milagres. Temos pacientes que nunca haviam falado e que começarem a falar, também aconteceram casamentos e outros foram morar na sua própria casa fora do hospital e se mantém até hoje”, comemora.

O Centro de Equoterapia Cavalo Amigo desenvolve um trabalho voltado a todas as pessoas que buscam uma melhora na sua qualidade de vida tendo o cavalo como aliado. Localizado na Sociedade Hípica de Porto Alegre, a instituição realiza atividades terapêuticas há mais de dez anos. Além dos projetos “Adote um praticante de Equoterapia” e “Quarta Feliz”, a instituição também realiza o “Educandário São João Batista”, com o atendimento gratuito para crianças dessa entidade


Centro de Equoterapia Cavalo Amigo - Telefone: (51) 3375-5800

Também nessa Edição nº: 96
Perfil: Roberto Ricardo de Amorim
Entrevista: Andre Degenszajn (2010/05)
Artigo: A ecologia das relações
Notícia: O que deu na mídia (edição 96)
Notícia: Balé sobre rodas
Notícia: Negócios do bem
Oferta de Trabalho: Procura-se (05/2010)