A identidade conquistada

Policiais em ação no projeto Identidade Solidária

Policiais em ação no projeto Identidade Solidária

Em 21 de abril de 2000, a Polícia Civil do Distrito Federal criou o programa Identidade Solidária, com o intuito de facilitar o acesso de pessoas que moram na periferia de Brasília aos postos que emitem a carteira de identidade. Afinal de contas, a maior parte desses centros fica concentrada nas asas sul e norte, bairros nobres da cidade. Para isso, foi criado um posto-móvel do serviço numa espécie de “viatura-ônibus”, apelido usado pelos próprios policiais envolvidos no projeto. “Nosso objetivo maior é levar o direito da Carteira de Identidade Civil às comunidades carentes e distantes dos pólos urbanos, proporcionando um atendimento diferenciado”, explica o chefe do programa Identidade Solidária, Eliud Martins.

A viatura-ônibus tem capacidade de atender entre 100 e 120 pessoas por dia. De acordo com informações do Instituto de Identificação da Polícia Civil, o projeto já forneceu, desde sua criação, mais de 15 mil documentos de identidade, nas 240 ações que realizou em todo o Distrito Federal. Quando os projetos são levados a escolas públicas, os peritos papilocopistas ainda fazem o trabalho de palestras com orientações sobre cidadadania e sobre o trabalho da Polícia Civil. “Também distribuímos cartilhas de prevenção a crimes e sobre como melhorar a qualidade de vida. Além de oferecermos a emissão de outros documentos fornecidos por diversos órgãos, que eventualmente fazem parcerias conosco”, destaca Eliud.

O programa Identidade Solidária é fruto de convênio celebrado entre a Polícia Civil do Distrito Federal e a Fundação Banco do Brasil, e conta com recursos da Secretaria Nacional dos Direitos Humanos do Ministério da Justiça. De acordo com Eliud, a idéia não beneficia apenas a comunidade carente, mas também auxilia o trabalho da polícia. “Por meio dessa iniciativa, temos uma alimentação permanente e atualizada do banco de dados do Instituto de Identificação”, afirma. “Além disso, quando o cidadão se aproxima da Unidade Móvel e observa o trabalho executado, ele acaba se cadastrando e, por fim, nos auxilia a formalizar sua inclusão social perante o Estado”, completa Eliud.

Para retirar o documento pela primeira vez, é preciso apresentar três fotos recentes e o documento original de certidão de nascimento ou casamento. A cópia autenticada dessas duas certidões também é aceita.


Tel.: (61) 362-5806

Também nessa Edição nº: 5
Perfil: José Mário Tranquillini
Entrevista: Clara Brandão
Artigo: A outra face do bem: empresas investem na área social mais por marketing do que por vocação*
Notícia: O que deu na mídia (Edição 5)
Notícia: EDISCA conquista o mundo
Notícia: Onde está o Brasil online?