Alexandra Pereira Klen

1165-phpxIL7p2

A diretora de Inovação e Marketing da Axia Value Chain, Alexandra Pereira Klen, fala sobre o programa de responsabilidade social da corporação, especializada em gestão empresarial. A instituição trabalha em diferentes segmentos de negócio, como siderurgia, farmacêutico, cosméticos, aeronáutico, automotivo, papel e celulose e já desenvolveu projetos para empresas como Gerdau, Electrolux, JBS e Perdigão.

Segundo ela, a gestão responsável faz parte do DNA da instituição, criada em 2003 e contempla ações para todos os stakeholders. “A responsabilidade social empresarial na Axia se caracteriza pelo respeito, ética e transparência com que nos relacionamos com nossos públicos”, disse na entrevista exclusiva para o Responsabilidade Social.com. Alexandra Klen também analisa o cenário mundial do ponto-de-vista da sustentabilidade e antecipa as metas da empresa para 2011. Acompanhe.

1) Responsabilidade Social – A Axia Value Chain tem uma gestão pautada na responsabilidade social empresarial. A senhora poderia detalhar os principais princípios dessa gestão?
Alexandra Klen
– A responsabilidade social empresarial (RSE) na Axia se caracteriza pelo respeito, ética e transparência com que nos relacionamos com nossos públicos. Alguns exemplos que podem ser citados são o cuidado que temos com a aquisição e utilização de material de escritório, destinação final dos resíduos gerados, a divulgação para os colaboradores internos dos resultados financeiros da organização e o reconhecimento por parte dos nossos clientes do compromisso da Axia em estabelecer uma parceria sincera e duradoura para, assim, buscar de forma colaborativa a superação das metas estabelecidas para os projetos.

2) RS – Desde quando a empresa adota políticas de sustentabilidade e responsabilidade social e como a prática evoluiu ao longo do tempo dentro da instituição?
AK
– Princípios de sustentabilidade e responsabilidade social fazem parte do DNA da Axia. Ou seja, desde a sua fundação, em 2003, sempre procuramos fazer o que é certo. Em 2008, por exemplo, criamos um Grupo de Inovação em Sustentabilidade para levar aos nossos clientes o conceito de cadeia sustentável de valor. Assim, buscamos identificar e interpretar todos os impactos provocados pelas empresas, associar as suas externalidades positivas e negativas aos stakeholders, antecipar as tendências do segmento nos próximos anos e apontar de que maneira as empresas podem otimizar seus processos e insumos, transformando toda sua cadeia de produção em uma cadeia verde. Neste momento estamos formalizando todas as nossas práticas em uma política de RSE a ser divulgada no início de 2011.

3) RS – Quais os principais projetos que a instituição mantém hoje nessa área?
AK
– Está em vigor atualmente na Axia o “Programa Escritório Verde”, composto por ações que visam, por exemplo, a utilização energética mais eficiente, a substituição dos copinhos plásticos por canecas, a reciclagem dos recursos reaproveitáveis e o estímulo à carona solidária.

Realizamos recentemente a ação social “Do Outro Lado do Rio” para comemorar o mês das crianças na ONG Ludovico Pavoni, do Real Parque, em São Paulo. Para transformar esse projeto em realidade foram necessários três meses de um cuidadoso planejamento e o envolvimento de vários colaboradores da empresa. Os resultados dessa ação compensaram todo o investimento realizado.

4) RS – Quais foram os principais investimentos feitos em ações socioambientais e qual o retorno que a organização tem atuando de maneira socialmente responsável?
AK
– Os principais investimentos foram os empregados para viabilizar o projeto “Do outro lado do Rio” e as ações do “Programa Escritório Verde”. O retorno vem tanto na forma de redução de custos quanto no aumento da satisfação dos nossos colaboradores em trabalhar na Axia, o que se reflete em melhores resultados para a empresa nos projetos. Atuar de forma socialmente responsável gera benefícios para todos os envolvidos.

5) RS – A empresa espera elevar o percentual de investimentos no próximo ano? Quais as principais metas para 2011?
AK
– Acreditamos que a meta mais ousada do programa RSE da Axia para 2011 será a realização de um projeto, com dedicação integral de dois colaboradores, no qual buscaremos levar para a sociedade o mesmo modelo de gestão que empregamos nos nossos clientes. Pretendemos usar o nosso conhecimento e a metodologia de transformação da Axia para ajudar, de maneira direcionada, a gestão de organizações e entidades que de dedicam a construir um mundo melhor.

6) RS – Na sua avaliação, os colaboradores incorporaram bem essa gestão responsável? Desde o início houve engajamento?
AK
– Os colaboradores da Axia são socialmente engajadas por natureza. São pessoas do bem, que têm uma atitude correta perante a sociedade. Tomamos o cuidado de atrair e contratar pessoas com esse perfil. Por conta disso, as políticas socioambientais são muito bem aceitas. Na ação social de outubro, por exemplo, até mesmo os familiares dos nossos colaboradores fizeram questão de participar e os que não puderam ir já estão cobrando a data da próxima ação. A repercussão na empresa tem sido das melhores, o que é muito gratificante e motivador.

7) RS – Quais os desafios que a empresa ainda enfrenta quanto o tema é responsabilidade social e como a instituição lida com esse tema no dia a dia de seu negócio?
AK
– A adoção da RSE na gestão da empresa é um processo que nunca termina. Não há como dizer que, a partir de determinado momento, somos socialmente responsáveis e podemos deixar de evoluir as nossas práticas. A responsabilidade social se traduz em um ciclo de melhoria contínua. Sempre teremos o que aprender e o que melhorar. Os principais desafios em 2010 foram as questões ambientais e a relação com o público interno.

Para o próximo ano existe um forte desejo de ampliar o contato com comunidades locais, de forma a beneficiá-las com o emprego do que sabemos fazer de melhor – integrar para criar valor.

8) RS – A senhora poderia destacar os principais resultados dessa gestão responsável?
AK
– Adotar uma gestão socialmente responsável traz resultados positivos para todos os envolvidos no processo: os colaboradores se sentem mais envolvidos e cativados pela causa da empresa, a comunidade tem algumas de suas necessidades atendidas, mesmo que de forma pontual, e a organização consegue estabelecer um propósito que vai além das metas financeiras. Todos saem ganhando!

9) RS – Qual o seu entendimento do termo ‘responsabilidade social’?
AK
– Para a Axia, responsabilidade social significa adotar e estimular uma atitude ética e transparente com cada um dos seus públicos, sejam eles clientes, fornecedores, colaboradores, meio ambiente, governo e comunidades locais. É preciso querer fazer o certo todos os dias, em cada decisão que se toma. Parece simples, mas não é.

10) RS – Qual a sua avaliação do cenário mundial do ponto-de-vista da sustentabilidade e como o Brasil se insere nesse contexto?
AK
– O termo ‘sustentabilidade” está de certa forma banalizado e desgastado. Muitas empresas têm associado suas marcas e produtos à sustentabilidade e responsabilidade social mas, quando analisamos essas organizações de forma mais cuidadosa, percebemos que as iniciativas ainda são implementadas de forma parcial e desconexa.

São poucas as empresas que já inseriram a RSE na alma do negócio. Lá fora, já existem nações em que as pessoas têm uma consciência socioambiental mais amadurecida e isso se traduz em pressão nos governos e na iniciativa privada para que também atuem de forma mais responsável. No Brasil ainda estamos engatinhando, mas a tendência é que a sensibilização e, consequentemente, a cobrança para uma atitude socioambientalmente correta se amplie rapidamente.


Axia Value Chain - Telefone: (11) 3043-7430

Também nessa Edição nº: 109
Perfil: Roberto Kikawa
Artigo: Agroenergia: uma oportunidade para integrar o saber e o saber fazer
Notícia: O que deu na mídia (edição 109)
Notícia: Inpe aponta desafios para a superação das mudanças climáticas
Notícia: São Paulo emite 143 milhões de toneladas de CO2 equivalente, indica inventário
Notícia: Fundação Espaço Eco completa cinco anos e soma mais de 93 mil pessoas atendidas
Oferta de Trabalho: Procura-se (12/2010)