O preço da sustentabilidade

A edição 117 do Responsabilidade Social.com traz uma entrevista com o arquiteto e engenheiro civil, Ewoud van Schaijk. Na conversa, ele desmistifica a máxima de que uma construção ecologicamente correta custa mais. Especialista em projetos nesse formato, tendo atuado nas Olimpíadas de Londres, Schaijk destaca quais são os principais gargalos do Brasil nesse setor, avalia como o mercado se comportará nos próximos anos e detalha como esses conceitos podem ser aplicados em moradias populares.

O boletim destaca ainda a mais recente pesquisa “Monitor de Responsabilidade Social Corporativa”, realizada pelo instituto de pesquisa de mercado e opinião, Market Analysis. O estudo, que ouviu adultos de 18 a 69 anos, de nove capitais do país entre dezembro de 2010 e janeiro deste ano, revelou que 69% dos consumidores acreditam que podem influenciar as empresas para que atuem de forma responsável.

Dentro dessa preocupação socioambiental, a publicação traz uma matéria sobre a produção de ovos de Páscoa norteada por princípios corretos. A Lacta anunciou que adotou medidas que englobam a redução de embalagens e a utilização mínima de água e energia elétrica, além de uma menor geração de carbono, para a produção dos ovos de chocolate.

Destaque também para a matéria “Corrente do Bem”, que mostra como o Brasil passou a integrar o Pay it Forward Day (A Corrente do Bem), movimento colaborativo internacional que surgiu na Austrália, em 2007, por iniciativa de Blake Beattie. Inspirada na obra Pay it Forward, de Catherine Ryan Hyde, a mobilização, que contou com a adesão de 250 mil pessoas em 2010, chega ao país com a proposta de disseminar uma nova cultura baseada em práticas cotidianas de gentileza.

A seção perfil conta a história de Pedro de Oliveira. O analista de Sistema de Informações interpretará Jesus Cristo na 3º edição da Via Sacra dos Surdos, evento que acontecerá no dia 9, em Brasília. Deficiente auditivo desde o nascimento, ele também é o coordenador do Grupo Via Sacra dos Surdos de Brasília, que tem 70 atores com essa deficiência.

Por fim em artigos, Vilmar Berna debate o tema “Sustentável sim, mas para quem?”. De acordo com ele, O planeta não é um enorme armazém de recursos infinitos, por um lado, e uma enorme lixeira capaz de absorver indefinidamente os nossos restos, por outro. O atual modelo de desenvolvimento tem usado o planeta além de sua capacidade de suporte, e o colapso dos sistemas vivos e os seus sinais já são visíveis por todo o lado.

Boa leitura!




Também nessa Edição nº: 117
Perfil: Pedro de Melo Soares de Oliveira
Entrevista: Ewoud van Schaijk
Artigo: Sustentável sim, mas para quem?
Notícia: O que deu na mídia (edição 117)
Notícia: Corrente do Bem
Notícia: Consumidor consciente
Notícia: Páscoa solidária