Finanças e responsabilidade

A edição 164 do Responsabilidade Social traz uma entrevista com a renomada economista futurista e iconoclasta inglesa, radicada nos Estados Unidos, Hazel Henderson. Ela aponta que a quebra do paradigma econômico-financista, ocorrida nos últimos cinco anos, acelerou a transição da economia global sustentável. Aos 80 anos, ela continua sendo uma defensora incansável da sustentabilidade como solução para os impasses da humanidade e o desequilíbrio ecológico.

Também é destaque na publicação a pesquisa conduzida pelo Great Place to Work® em 2013. O estudo revela que a maioria das “Melhores Empresas para Trabalhar” no Brasil tem códigos de conduta ou política formal que estabelecem compromissos para o combate à discriminação quanto a origem étnica, religião/crença, pessoas com deficiência e orientação sexual no ambiente de trabalho. Destaque também para a edição recente do Censo Gife. Segundo o levantamento, o número de organizações que investem em desenvolvimento comunitário cresceu de 45% em 2009 para 55% em 2011.

Ainda na seção notícias, o boletim aborda o resultado da seleção da NESsT Brasil. A instituição anunciou as 15 organizações selecionadas para serem parte de seu Portfólio de Planejamento em 2013. Foram 121 inscrições, de 18 estados e 51 municípios brasileiros, analisadas até chegar à decisão final. As organizações aprovadas receberão apoio para o desenvolvimento de planos de lançamento e expansão de seus negócios sociais.

A seção perfil traz uma entrevista com a autora de Política de segurança alimentar nutricional e sua inserção ao sistema único de assistência social, Brizabel da Rocha. Segundo ela, a fome no Brasil é um “fenômeno socialmente produzido e reproduzido, pela mão do homem, que iniciou com a usurpação de terras indígenas pelos colonizadores, que deram origem a nossa aristocracia rural”.

Por fim em artigos, a presidente executiva do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds), Marina Grossi, e a coordenadora da iniciativa de transparência e relatos do Cebds, Tatiana Botelho, apontam que o relatório de sustentabilidade vem sendo duramente criticado tanto por grupos favoráveis às causas social e ambiental quanto por seus oponentes.




Também nessa Edição nº: 164
Entrevista: Hazel Henderson
Entrevista: Brizabel da Rocha
Artigo: Para que reportar sustentabilidade?
Notícia: Responsabilidade empresarial (2013/09)
Notícia: Instituições de todo o país recebem apoio para expandir negócios sociais
Notícia: Desenvolvimento local em alta
Oferta de Trabalho: Procura-se (09/2013)